O Comissariado de São José do Congo

O Comissariado de São José do Congo

A presença de nossa Ordem na República Democrática do Congo e na República do Congo – ou Congo Brazaville – é uma apaixonante história de mais de cinquenta anos, que começa agora uma nova etapa com a criação do Comissariado de São José do Congo pelo Padre Geral – Saverio Cannistrà – e seu Definitório, através do decreto publicado em 10 de março de 2020. O Comissariado será constituído pelas casas da precedente Delegação Geral.

Em razão dessa ocasião jubilosa, nossa página web e nosso boletim informativo apresentam, em sua seção em língua francesa, uma breve revisão histórica da presença da Ordem nessas nações da África, que resumimos aqui.

Entre os anos de 1965 e 1969, os primeiros carmelitas descalços provenientes das Províncias de Castela, Flandres e Roma se estabeleceram em diferentes presenças ao leste e no centro do Congo, implementando iniciativas pastorais, evangelizadoras e também de caráter social. Não demoraram a aparecer os primeiros jovens com inquietações vocacionais, motivo pelo qual em 1979 erigiu-se um noviciado em Kananga, no qual os candidatos puderam dar início à sua formação carmelitana. Os primeiros responsáveis pela comunidade foram os Padres Marcellino Forcellini (Roma), Sebast Vanderstraaten (Flandres) e Miguel Gutiérrez (Castela), que contaram com a ajuda dos missionários poloneses já estabelecidos no Burundi. Com o tempo, coordenados e apoiados pelo Padre Geral da época – Felipe Sainz de Baranda –, os missionários do Congo ampliaram as estruturas para a acolhida e formação das vocações, já com o apoio dos primeiros carmelitas congoleses. O crescimento da Delegação permitiu a ereção de um centro de iniciativas de pastoral da espiritualidade, o Teresianum de Kinshasa.

Com o passar dos anos, os já veteranos missionários europeus foram sucedidos em seus postos de governo e formação por religiosos do Congo, iniciando-se um período de amadurecimento que agora dá seus frutos com a criação desse novo Comissariado.