Escutar e acompanhar

Escutar e acompanhar

A crise epidemiológica gerada pela COVID-19, com o consequente confinamento de milhões de pessoas nos cinco continentes, afetou também o serviço diário que frades e monjas carmelitas descalços oferecem a tantas pessoas, diante da impossibilidade de celebrar a missa em conventos e mosteiros, receber visitas, realizar serviços apostólicos etc. Não obstante, muitos de nossos irmãos e irmãs mobilizaram-se para continuar escutando e acompanhando o povo cristão e a humanidade sofredora neste momento doloroso e peculiar.

Os falecidos e suas famílias, os enfermos, o pessoal do serviço sanitário, os governos e todos os que foram de um modo ou de outro golpeados pela pandemia, assim como aqueles que se puseram em primeira linha de serviço à sociedade, estiveram no centro de nossa oração.

Além disso, muitos conventos e mosteiros aproveitaram os meios de comunicação, particularmente a Internet e as redes sociais, para transmitir a missa ao vivo ou realizar encontros de oração. Assim, tanto no Facebook como no Youtube foi possível participar, ao menos virtualmente, de celebrações eucarísticas em diversos países e línguas: italiano, espanhol, português, inglês, francês, malaiala etc.

Em muitos países, comunidades de carmelitas utilizaram todos os meios ao seu alcance para compartilhar áudios e vídeos – por exemplo, através do WhatsApp – com reflexões, leituras de textos de nossos santos etc., com a finalidade de animar e acompanhar as pessoas confinadas.

Nesses dias, o CITeS de Ávila programou diversos cursos e lançou vídeos com reflexões sobre o Evangelho de cada dia. Por sua parte, a Faculdade Teológica Teresianum continuou sua atividade acadêmica, implementando um sistema de aulas por videoconferência e um acompanhamento personalizado dos alunos através do correio eletrônico.

Da Cúria Geral procuramos compartilhar em nossas redes sociais todos os materiais dos quais temos notícia, assim como as diferentes mensagens enviadas por Padre Saverio Cannistrà durante este tempo. Especial ressonância – dentro e fora da Ordem – teve sua carta Um desejo em tempos de tribulação.

A todas essas ações pastorais uniu-se o empenho caritativo refletido na comunhão de bens com os mais pobres e o trabalho para fabricar máscaras e outros materiais úteis para a defesa diante da enfermidade. Soubemos de uma comunidade de carmelitas descalças que experimentou sérias privações com o objetivo de compartilhar produtos de primeira necessidade – inclusive alimentos – com famílias necessitadas vizinhas ao mosteiro. Sua situação já se normalizou e elas preferem permanecer no anonimato.